Dança do Coco


Para alguns pesquisadores, o Coco surgiu no século 17, no quilombo dos Palmares em Alagoas, ligado à atividade da quebra da dura casca do coco. No final do século 19, chegou aos salões da sociedade alagoana, assimilando alguns procedimentos coreográficos das danças europeias. Outra tradição ligada à origem do Coco vem das comunidades rurais onde, após a construção das casas de pau-a-pique, era oferecida uma festa com o objetivo não só de comemorar o final da obra, como também de realizar o nivelamento do piso de barro através das pisadas do Coco. Hoje está presente em vários estados do nordeste com inúmeras variações, tanto de suas estruturas coreográficas quanto das poético-musicais.

FONTE: "Espetáculos Populares de Pernambuco", de Carlos da Fonte Filho, 1999; e Tese de Mestrado da Telma C. Cavalcanti. 


Coco


A dança do Coco é conhecida também como coco-de-roda, coco-de-embolada, coco-de-praia, coco-do-sertão, coco-de-umbigada, e ainda outros o nominam com o instrumento mais característico da região em que é desenvolvido, como coco-de-ganzá e coco de zambê.

Alguns instrumentos utilizados no Coco são o ganzá, surdo, pandeiro e triângulo, mas o a cadência é marcada pelo repicar dos tamancos e a sonoridade é completada com as palmas.