CAPOEIRA CAMARÁ..

AUTOR: Mestre Ziza.
DATA: Rio, 31 / 05 de 1994.

A capoeira, veio de mansinho, fincou sua raiz na terra, abriu a ginga em um compasso,  subiu em um celeste espaço, como em um salto mortal. Aportou em um lugar de destaque,mas, muitos para isso sofreram, fugiram, apanharam e morreram. Ela não. Sobreviveu a toda guerra e perseguição. Trilhando muitos caminhos, chegou até nossos dias com luta, suor, paciência, luta de sobrevivência, luta de resistência, luta de capoeira.

Num salto mortal, sobre a vida, com galopante, martelo, tudo, tudo certinho, pois se te pega já era. Puxando uma boca de  calça, até mesmo uma baianada,ficando como surpreso, quando na queda lenhada, sobe como um corisco. Largando um chapéu de couro, cortando o espaço que sobra com meia lua e armada, num sobre giro de corpo ou mesmo em um rodopio, fugindo do corte da sola, sai no role pega o cabra, em um breve corta capim, mas se o chicote lhe açoita, vai para negativa na fuga partido assim, do chão para o Aú, movimento sublime e maneiro,mais ele pode matreiro, bater-lhe com uma chibata, que no próprio ar arremata com uma tesoura certeira, botando-lhe no chão.

Chulipa, Godeme, Arpão, tudo, isto lhe trás a cabeçada certeira. Dedo no olho, bicuda, ponteira, para pegar com certeza, mas ela gingando, ainda lhe diz.

Vou embora no mundo, cair pela barra a fora, para mim não tem dia nem hora,sou o que sou CAPOEIRA, seja aqui ou agora, seja em qualquer lugar, seja onde estiver, seja como quiser, veio para ficar. Isto é o que ela é, CAPOEIRA CAMARAH.

SAUDAÇÕES CAPOEIRISTAS.